Sobre o CTGFA

Um Centro de Tradições Gaúchas (CTG) guarda os usos e os costumes de um povo, mais do que isso, guarda cultura, energia e vidas.

Quando se entra na sede do CTG Fronteira da Amizade, de União da Vitória, logo se percebe isso. O local foi construído com a união de amigos que lutam para perpetuar os costumes gaúchos. Fundado em 14 de fevereiro de 1976, o CTG Fronteira da Amizade ocupa há 26 anos, a atual sede do CTG, na rua Luiza Maria Tonial.

Ali, num prédio com 1.850 metros quadrados , com 120 metros de comprimento, é abrigada a invernada artística do primeiro CTG da região. “Todo CTG pode ter a invernada artística e a invernada campeira. O nosso tem só a invernada artística. A invernada campeira ainda não foi construída, estamos aguardando terreno, de doação da prefeitura, para fazer a cancha de laço” conta o patrão (presidente) do CTG, Leno Tonial.

A invernada artística abrange as categorias juvenil, mirim e adulta e reúne 60 pessoas no total. “É as danças folclóricas, as apresentações em rodeios, concursos”, conta Leno.

Para a construção da invernada campeira, o CTG – que construiu seu Galpão Criouloem um terreno por meio de uma doação.

Em 1979 o prefeito de União da Vitória, Gilberto Francisco Brittes, autorizou a construção do prédio no terreno desapropriado pela Usina de Foz do Areia. O terreno está a 150 metros do rio Iguaçu. “A cerca de dois anos a Copel quer o terreno de volta, entrou com pedido de reintegração de posse”, conta Tonial. Com a doação do terreno, caso seja passado à prefeitura e seja repassado ao CTG, o galpão não terá que ser derrubado. “Ele foi construído com promoções dos sócios contribuintes, que hoje, na ativa, temos 120 pessoas. Lembrando que sócio contribuinte não dá ajuda financeira, mas participativa, com o trabalho, são voluntários, fazem tudo gratuitamente”, conta Luiz Alfredo Stoeberl, o porteiro social (diretor social) do CTG.